"Escrevo com o objetivo de obter a sua urgente posição sobre a hedionda e vil acusação difamatória elaborada por procuradores seus subordinados", refere o advogado Marcos Aragão Correia, em carta dirigida a Pinto Monteiro.

Na carta, a que a agência Lusa teve acesso, o causídico realça que a tortura de que Leonor Cipriano foi vítima resultou "claramente provada", por unanimidade, em sede de Tribunal de Júri, e mais tarde foi confirmada na íntegra, sem mais possibilidades de recurso, pelo Tribunal da Relação de Évora.

A dose certa de informação. Sem contraindicações.

Subscreva a newsletter Dose Diária.

Esteja em cima do acontecimento.

Ative as notificações do SAPO.

Damos tudo por tudo, para que não lhe falte nada de nada!

Siga o SAPO nas redes sociais. Use a #portalSAPO nas suas publicações.