"Encorajar o Kremlin a atacar qualquer país da Organização do Tratado do Atlântico Norte [NATO] ou o território da Aliança coloca os nossos soldados -- os dos Estados Unidos e os dos nossos aliados -- em perigo. Fazê-lo, através deste tipo de declarações, é perigoso e francamente irresponsável", disse Julianne Smith, durante um `briefing´ com jornalistas, por videoconferência, para antecipar uma reunião ministerial na quinta-feira.

No sábado, o republicano Donald Trump disse, a poucos dias do segundo aniversário da invasão da Ucrânia pela Rússia, que, a ser reeleito Presidente dos Estados Unidos, encorajaria Moscovo a fazer o que entendesse com os países com menores contribuições para a NATO.

O 45.º Presidente dos Estados Unidos da América (EUA) fez as declarações durante um comício na Carolina do Sul, intensificando os ataques contra a ajuda externa e as alianças internacionais de longa data, por exemplo, a NATO.

Donald Trump contou que terá sido confrontado pelo Presidente de um país da NATO sobre a ameaça de deixar um dos Estados-membros ser atacado se estivessem em incumprimento dos objetivos de contribuições financeiras para Aliança Atlântica.

"Um dos presidentes de um dos grandes países levantou-se e disse: 'Bem, senhor [Trump], se não pagarmos e formos atacados pela Rússia, vai defender-nos?'", contou Trump perante apoiantes.

E terá respondido: "Não, não vou proteger-vos mais. Aliás, vou encorajá-los a fazerem o que quiserem convosco. Vocês têm de pagar as dívidas que têm".

AFE // SF

Lusa/Fim

A dose certa de informação. Sem contraindicações.

Subscreva a newsletter Dose Diária.

Esteja em cima do acontecimento.

Ative as notificações do SAPO.

Damos tudo por tudo, para que não lhe falte nada de nada!

Siga o SAPO nas redes sociais. Use a #portalSAPO nas suas publicações.