Numa publicação na rede social Facebook, Umaro Sissoco Embaló referiu que durante o encontro foram discutidas as "relações de amizade e de cooperação, bem como as grandes questões políticas e económicas", que "são hoje os problemas mais cadentes da atualidade internacional agravados pelo confronto militar entre a Rússia e Ucrânia".

No encontro, os dois presidentes falaram sobre as consequências daqueles problemas, nomeadamente o aumento dos preços da energia e dos bens de primeira necessidade, "altamente" gravosos para o continente africano.

O terrorismo em África dominou também o encontro.

No discurso proferido quinta-feira na 77.ª Assembleia Geral das Nações Unidas, Umaro Sissoco Embalo defendeu que o combate ao terrorismo, ao extremismo violento e ao crimes transnacional em África deve envolver a comunidade internacional e, em particular, as Nações Unidas.

"Precisamos da ajuda internacional para travar o avanço do terrorismo na África Ocidental e em toda a zona do Sahel", salientou o Presidente guineense.

Segundo Umaro Sissoco Embaló, o terrorismo, o extremismo violento e a criminalidade transnacional são ameaças à "paz e segurança internacionais que, para ser eficazmente combatida, deve necessariamente envolver toda a comunidade internacional e a ONU, em particular".

MSE // PJA

Lusa/Fim

 

A dose certa de informação. Sem contraindicações.

Subscreva a newsletter Dose Diária.

Esteja em cima do acontecimento.

Ative as notificações do SAPO.

Damos tudo por tudo, para que não lhe falte nada de nada!

Siga o SAPO nas redes sociais. Use a #portalSAPO nas suas publicações.