No encerramento do encontro nacional do BE, que aprovou na generalidade o programa eleitoral com o qual o partido se apresenta às eleições legislativas de 30 de janeiro, a líder bloquista, Catarina Martins, defendeu que "a chave para desbloquear Portugal reside na força da esquerda".

"Se a maioria absoluta é o plano A do PS, o seu plano B parece ser um bloco central, formal ou informal. Essa deriva indica que, para se manter no poder e continuar a bloquear as respostas necessárias ao SNS ou à estagnação salarial, António Costa estará disponível a sentar-se à mesa com Rui Rio ou Paulo Rangel para entendimentos cujo significado na vida das pessoas depois de janeiro se conhecerá", argumentou.

Na perspetiva de Catarina Martins, "se o país já não suporta mais os anúncios sempre repetidos e sempre inconsequentes, seguramente dispensa um acordo de bloco central que impeça qualquer mudança".

"O país conhece os perigos de maiorias absolutas como as que viveu com Cavaco Silva ou José Sócrates. E sabe que uma viragem para um bloco central, só pode traduzir-se num regresso à agenda privatizadora, a começar pelos serviços públicos", alertou.

Para a bloquista, "é o reforço da esquerda que trava a derrapagem para o pântano político e para a estagnação social".

A coordenadora bloquista acusou ainda o PS de ter feito uma "viragem política" quando recusou o acordo com o BE a seguir às legislativas de 2019 que, "além de enterrar a geringonça, abriu uma rota de aproximação à direita".

JF // JPS

Lusa/fim

A dose certa de informação. Sem contraindicações.

Subscreva a newsletter Dose Diária.

Esteja em cima do acontecimento.

Ative as notificações do SAPO.

Damos tudo por tudo, para que não lhe falte nada de nada!

Siga o SAPO nas redes sociais. Use a #portalSAPO nas suas publicações.