CDS visita Alfredo da Costa e aponta dedo ao Governo por não resolver problemas

A líder do CDS-PP visitou hoje a Maternidade Alfredo da Costa (MAC), em Lisboa, onde faltaram anestesistas no Natal, e decidiu "apontar o dedo" ao Governo do PS por não resolver os problemas estruturais na saúde.

"Ouvimos a ministra da Saúde dizer que é preciso reter profissionais no Serviço Nacional de Saúde (SNS), mas não compreendemos como se retém profissionais se não se abrem vagas" com aconteceu com a MAC, afirmou Assunção Cristas aos jornalistas.

Quatro dias depois das notícias sobre a falta de um anestesista na MAC, Assunção Cristas reuniu-se com a presidente da administração do Centro Hospitalar Universitário de Lisboa Central, que integra a Alfredo da Costa, Ana Escoval, e outros responsáveis, deixando elogios aos profissionais da saúde pelo "trabalho notável" que fazem.

"Não conseguimos compreender, e apontamos o dedo ao Governo, porque fala dos problemas, mas não encontra as soluções", afirmou a líder dos centristas, para quem existem "problemas estruturais" no SNS que não são resolvidos, por exemplo, com a contratação de médicos.

Soluções como contratar, por um dia, um anestesista como faz a MAC, "não são desejáveis" e devem evitar-se, acrescentou, depois de lembrar que a direção clínica pediu a contratação de mais quatro profissionais desta área.

Assunção Cristas realçou que "houve um concurso para colocar médicos em todo o país e não apareceram vagas para a MAC, para a anestesia".

"E esse é o problema mais importante", sublinhou.

Nos dias 24 e 25 de dezembro a urgência da Maternidade Alfredo da Costa (MAC) esteve a funcionar apenas para os casos urgentes, sendo os restantes encaminhados para outros hospitais, quando estava apenas um anestesista ao serviço.

NS (ARP) // VAM

Lusa/fim