"Hoje, não faltam amigos de Jesus que são perseguidos, são proibidos de rezar, e alguns são metidos na prisão e até mortos. Rezemos por eles, por este mundo, (...) para que a mão do Senhor ampare e proteja todos e ajude a que a liberdade religiosa exista em todo o mundo", disse Roberto Mariz na homilia da missa da Peregrinação das Crianças ao Santuário de Fátima.

Perante dezenas de milhares de pequenos peregrinos, o bispo auxiliar do Porto sublinhou também a importância da oração para o quotidiano dos cristãos.

"Rezar deve-nos ajudar a sonhar um mundo em que os pecadores se convertem, em que a paz existe, em que a Igreja também vive unida e comprometida", desejou Roberto Mariz, pedindo que se reze "pela paz no mundo".

Também da oração dos féis, foi pedido "pelos que sofrem, pelos doentes, pelas vítimas da guerra e das injustiças".

A Peregrinação das Crianças teve como tema "Orai comigo" e, depois de, no domingo à noite, ter decorrido uma vigília na Capelinha das Aparições, hoje, além da missa, teve lugar uma encenação, na Basílica da Santíssima Trindade, seguida da recitação do terço, na Capelinha das Aparições.

Da parte da tarde, a encenação é repetida às 15:00, seguida da celebração de despedida.

A Peregrinação das Crianças é, tradicionalmente, uma das que mais fiéis leva a Fátima durante o ano, ficando sempre marcada por uma oferta do santuário aos pequenos peregrinos. Este ano foi um livro de orações, com o título do tema da peregrinação: "Orai Comigo".

A primeira Peregrinação das Crianças aconteceu em 1977, quando se assinalavam os 60 anos das aparições.

JLG // SB

Lusa/Fim