"O grupo da Liga [Movimento pela Europa das Nações e da Liberdade/ENF - direita] no Parlamento Europeu (PE) apresentará uma moção de censura", declarou o líder do partido, Matteo Salvini.

A presidente da Comissão Europeia (CE), Ursula Von der Leyen, disse na quinta-feira que se as eleições gerais em Itália derem início a uma mudança autocrática, nacionalista e eurocética, existem na União Europeia (UE) "instrumentos, tal como ocorreu nos casos da Polónia e da Hungria", a serem aplicados.

No entanto, Von der Leyen acrescentou que estão "prontos para trabalhar com qualquer governo democrático" que esteja, por sua vez, disposto a trabalhar com a Comissão.

Ao anunciar hoje a moção de censura contra Ursula von der Leyen, Salvini disse que a presidente da CE fez "uma ameaça esquálida, uma invasão de campo que não foi solicitada".

"A senhora representa todos os europeus, o seu salário é pago por todos nós e foi uma ameaça repugnante e arrogante", declarou Salvini.

A CE censurou o primeiro-ministro húngaro, Viktor Órban, e o partido Lei e Justiça -- no poder na Polónia - devido a questões relacionadas ao estado de direito e aos direitos humanos, impondo sanções contra estes países, exigindo que estivessem de acordo com os valores democráticos da UE.

A Liga e o partido Irmãos de Itália (Fdi) abstiveram-se, na semana passada, numa votação no Parlamento Europeu que declarava que a Hungria sob Orban já não é uma democracia em pleno funcionamento, mas uma autocracia.

Orban é um aliado chave dos dois partidos italianos, enquanto o Lei e Justiça faz parte da bancada conservadora do PE, presidida pela líder do FdI, Giorgia Meloni, junto com o partido de extrema-direita espanhol Vox.

Giorgia Meloni, que poderá tornar-se a primeira mulher chefe de Governo em Itália, segundo as sondagens para as eleições gerais de domingo no país, muitas vezes elogiou as políticas de Órban e dos seus aliados polacos.

"No domingo, os italianos vão votar, não os burocratas de Bruxelas, e se eu fosse a presidente da Comissão Europeia estaria [mais] preocupada com as contas de energia", declarou Salvini.

Meloni garantiu aos parceiros internacionais de Itália que, sob liderança, a Itália vai respeitar às posições da UE e da NATO e continuará a apoiar a Ucrânia na sua defesa contra a invasão russa.

A líder dos Irmãos de Itália também expressou opiniões eurocéticas e posições conservadoras.

CSR // APN

Lusa/Fim

A dose certa de informação. Sem contraindicações.

Subscreva a newsletter Dose Diária.

Esteja em cima do acontecimento.

Ative as notificações do SAPO.

Damos tudo por tudo, para que não lhe falte nada de nada!

Siga o SAPO nas redes sociais. Use a #portalSAPO nas suas publicações.