"Os portugueses podem estar tranquilos, que as farmácias dispõem de quantidade suficiente para responder ao aumento da procura do serviço de realização de testes antigénio e autotestes", assegurou a presidente da ANF, Ema Paulino, citada num comunicado divulgado na segunda-feira, ao final do dia.

Ema Paulino diz que após a declaração do estado de calamidade por parte do Governo, a vigorar a partir de quarta-feira, verificou-se um pico de procura por este tipo de testes, adiantando que o abastecimento de testes será reforçado.

Na sequência deste aumento, segundo a presidente da ANF, têm vindo a ser distribuídas quantidades controladas de testes a cada farmácia por forma a garantir um fornecimento homogéneo no território nacional.

Na sexta-feira, 26 de novembro, as farmácias portuguesas realizaram 30.147 testes de antigénio, número ainda inferior aos 35.475 registado a dia 30 de julho.

Várias farmácias contactadas pela agência Lusa na sexta-feira, já adiantavam que se estavam a preparar para uma maior procura por testes para deteção de covid-19, aumentando os 'stocks' e alargando horários para a testagem, sujeita a marcação prévia.

O primeiro-ministro anunciou na quinta-feira que o acesso a lares, alguns estabelecimentos de saúde e grandes eventos culturais ou desportivos passa a exigir a apresentação de teste de deteção do vírus SARS-CoV-2 com resultado negativo, mesmo para pessoas vacinadas contra a covid-19.

DD (AH)// SB

Lusa/Fim

A dose certa de informação. Sem contraindicações.

Subscreva a newsletter Dose Diária.

Esteja em cima do acontecimento.

Ative as notificações do SAPO.

Damos tudo por tudo, para que não lhe falte nada de nada!

Siga o SAPO nas redes sociais. Use a #portalSAPO nas suas publicações.