Segundo a polícia de Corumbá, uma cidade na fronteira com a Bolívia, localizada no estado de Mato Grosso do Sul, a mulher foi responsável pela análise e aprovação do plano de voo do avião que transportava o Chapecoense e era uma fugitiva da justiça no seu país.

"A mulher boliviana era especialista em segurança de voo e, na altura, não observou os requisitos processuais mínimos para a aprovação do plano de voo da aeronave, uma vez que no programa apresentado, a autonomia de voo não era adequada para a viagem", explicou a Polícia Federal numa nota.

O trágico acidente ocorreu em novembro de 2016 quando o avião que transportava o Chapecoense se despenhou a 17 quilómetros do aeroporto José María Córdova, perto da cidade de Medellín, depois de ter ficado sem combustível.

A equipa estava a caminho da Colômbia para jogar contra o Atlético Nacional na final da Copa Sul-Americana de 2016.

A tragédia provou a morte a 71 das 77 pessoas no avião da companhia aérea boliviana Lamia. Três futebolistas, dois membros da equipa e um jornalista sobreviveram.

A mulher permanecerá detida na cidade de Corumba, no Mato Grosso, enquanto os procedimentos legais são realizados para a entregar às autoridades bolivianas.

MIM // MIM

Lusa/Fim

A dose certa de informação. Sem contraindicações.

Subscreva a newsletter Dose Diária.

Esteja em cima do acontecimento.

Ative as notificações do SAPO.

Damos tudo por tudo, para não lhe falte nada de nada!

Siga o SAPO nas redes sociais. Use a #portalSAPO nas suas publicações.