O apoio, aprovado através da Associação Internacional de Desenvolvimento (IDA), vai servir para reforçar as capacidades dos pequenos agricultores e pescadores, bem como ajudar as micro, pequenas e médias empresas a aumentarem a sua produção no meio rural, refere o Banco Mundial no comunicado.

"O meio rural é a base do sustento da maioria da população de Moçambique. É nele onde viva a maioria dos mais necessitados do país", observou Idah Riddihough, diretora do Banco Mundial para Moçambique, citada no documento.

O apoio pretende dar prioridade a igualdade de género e também a conservação, apoiando o país nas estratégias de reflorestação e gestão de áreas protegidas.

"Isso inclui melhorar o controlo de florestas e áreas de conservação e apoiar a planificação do uso da terra para um desenvolvimento agrícola inteligente e sustentável para o clima", acrescenta João Moura, especialista em gestão de Recursos Naturais no Banco Mundial.

Como forma de resistir aos altos índices de pobreza e à desnutrição crónica, a maior parte da população moçambicana, que vive em zonas rurais, recorre à agricultura de subsistência como único meio de sobrevivência.

O Governo moçambicano, que definiu a agricultura como uma prioridade da economia moçambicana, tem apontado a industrialização do setor e a aposta na comercialização como dois dos seus principais desafios.

EYAC // MCL

Lusa/Fim

A dose certa de informação. Sem contraindicações.

Subscreva a newsletter Dose Diária.

Esteja em cima do acontecimento.

Ative as notificações do SAPO.

Damos tudo por tudo, para não lhe falte nada de nada!

Siga o SAPO nas redes sociais. Use a #portalSAPO nas suas publicações.