A fibromialgia é uma condição que se caracteriza por dor generalizada e sintomas associados, afetando 2-4% dos adultos, predominantemente mulheres. Sintomas como formigueiros, adormecimento, tremor e rigidez variam em intensidade, incluindo também fadiga, distúrbios do sono e dificuldades cognitivas.

O diagnóstico é clínico, baseado na ausência de alterações em exames físicos, laboratoriais e de imagem. A presença de alodínia, dor provocada por estímulos que não seriam tão intensos quão para doer, é investigada nos 18 pontos inicialmente descritos como critérios de diagnóstico pelo American College of Rheumatology em 1990. Estes têm sido revistos, mas o desafio para aprimorar métodos diagnósticos continua. Surgiram atualizações que visam mudar a definição de doença “periférica” para “baseada em sintomas sistémicos”.

Para enfrentar a fibromialgia, o tratamento visa aliviar a dor, reduzir a ansiedade e melhorar a qualidade de vida. Estratégias não farmacológicas, como a educação do paciente, relaxamento psicológico, regularização do sono, alimentação e nutrição equilibradas e exercício físico, são determinantes e podem fazer toda a diferença na qualidade de vida. Por sua vez, e se aconselhado em contexto de consulta com o seu médico, o tratamento farmacológico, muito necessário, seguro e eficaz em determinados casos, envolve analgésicos, relaxantes musculares e antidepressivos é medida dos sintomas e perfil clínico de cada pessoa com fibromialgia.

Se enfrenta sintomas de fibromialgia, consulte o seu médico de família ou reumatologista. O diagnóstico adequado e um plano de tratamento personalizado são essenciais. O apoio médico aliado a mudanças no estilo de vida pode melhorar significativamente a qualidade de vida.

É crucial manter-se informado. Dá-lhe liberdade de escolha e atributos para ser assistente no seu próprio tratamento. A literacia sobre a fibromialgia é fundamental. Procure informações fidedignas e atuais, como as fornecidas pela Associação Portuguesa de Fibromialgia (APJOF). Mantenha-se atualizado para tomar decisões informadas sobre seu bem-estar e saúde.

É recomendado procurar ajuda exclusivamente de profissionais de saúde ou ciências do desporto/exercício clínico. Confie na ciência, tecnicidade e ética dos profissionais reconhecidos pelas ordens e outros órgãos de tutela. Evite orientações de pessoas não qualificadas para garantir um tratamento seguro e eficaz. Lembre que é o médico que está qualificado para o diagnóstico e participação no tratamento. Os outros profissionais de saúde ou ciências do desporto/exercício clínico podem ter um papel decisivo para a sua qualidade de vida, mas o diagnóstico de fibromialgia é médico. Certifique-se que quem procura ou se oferece para ajudar é “encartado”.

A fibromialgia, embora coloque às pessoas e à sociedade desafios importantes e que merecem toda a consideração e atenção, pode ser gerida com compreensão, tratamento adequado e apoio contínuo. Não hesite em procurar ajuda profissional para fazer o seu caminho para uma vida mais saudável, equilibrada e ativa.

Notícia relacionada

Entrevista. “O stresse tem um papel absolutamente decisivo na fibromialgia”

A dose certa de informação. Sem contraindicações.

Subscreva a newsletter Dose Diária.

Esteja em cima do acontecimento.

Ative as notificações do SAPO.

Damos tudo por tudo, para que não lhe falte nada de nada!

Siga o SAPO nas redes sociais. Use a #portalSAPO nas suas publicações.