Os resultados definitivos da sessão indicam que o índice Dow Jones Industrial Average progrediu 0,23%.

Ao contrário, o tecnológico Nasdaq recuou 0,50%, depois de ter chegado a estar a perder 1,30%, e o alargado S&P500 baixou 0,16%.

Parece que os investidores "racionalizaram a sua primeira reação impulsiva", que tinha sido a de vender depois do anúncio, pouco antes da abertura da bolsa, da criação de 528 mil empregos em julho, mais do dobro dos esperados 250 mil pelos analistas, disse Patrick O'Hare, da Briefing.com, à AFP.

Os investidores acabaram por "pensar que estes números mostram que a economia pode suportar" o endurecimento monetário da Fed.

"A outra ideia é a de que o relatório sobre o emprego é um indicador retardado", ao mostrar um estado já passado da atividade e que "outros se vão seguir", como o da inflação na próxima semana.

Mas o mercado acionista não ficou feliz com a boa criação de emprego, a descida em 0,1 pontos percentuais da taxa de desemprego para 3,5% e sobretudo da subida dos salários horários (5,2% em termos anuais), por os investidores recearem que a Fed endureça ainda mais a sua política monetária para arrefecer a economia.

"Estes dados são mais fortes do que previsto. Os investidores estavam convictos, depois da última reunião da Fed, em julho, que esta ia mudar de orientação e fazer menos" nas taxas de juro, disse Mazen Iça, da TD Securities.

"Mas estes números vão contra esta ideia e apresentam mais uma economia que vai ter necessidade de ser travada", acrescentou.

RN // RBF

Lusa/fim

A dose certa de informação. Sem contraindicações.

Subscreva a newsletter Dose Diária.

Esteja em cima do acontecimento.

Ative as notificações do SAPO.

Damos tudo por tudo, para que não lhe falte nada de nada!

Siga o SAPO nas redes sociais. Use a #portalSAPO nas suas publicações.