No final da sessão, o índice Dow Jones subiu 0,45% para 33.912,44 pontos e o seletivo S&P 500 somou 0,40%, para 4.297,14 pontos.

Por sua vez, o Nasdaq aumentou 0,62%, para 13.128,05 pontos.

O mercado de ações começou o dia no 'vermelho' quando foram divulgados vários dados que indicam uma desaceleração da economia chinesa.

Hoje foi anunciado que a produção industrial na China avançou 3,8% em julho, na comparação com o mesmo mês de 2021, uma subida inferior à do mês anterior e abaixo do esperado pelos analistas.

Na China, as vendas a retalho também surpreenderam pela negativa em julho, de acordo com os dados divulgados, que referiram um aumento de 2,7% em termos homólogos. Os analistas previam uma subida de 5%.

Na resposta a esta desaceleração, o Banco Popular da China baixou as taxas de juro em 10 pontos base e injetou o equivalente a 59.300 milhões de dólares no sistema financeiro para impulsionar os empréstimos e o crescimento económico.

Contudo, a reação dos mercados não foi tão negativa como se esperava e quase todos os setores da economia dos Estados Unidos fecharam positivos, com os maiores ganhos a verificarem-se nos bens essenciais (1,5%) e serviços públicos (0,81%).

No 'vermelho' fechou apenas a energia (-1,98%), num dia de quedas dos preços do petróleo e das matérias-primas (-0,09%).

No índice Dow Jones, os ganhos foram liderados pela Visa (+2,41%) e pela Disney (+2,21%), enquanto as descidas foram lideradas pela petrolífera Chevron (-1,9%).

No mercado nova-iorquino, o petróleo do Texas caiu 2,9% para 89,41 dólares o barril e o rendimento das obrigações do Tesouro norte-americano a 10 anos caiu 2,80%.

DF (EO)//CFF

Lusa/Fim

A dose certa de informação. Sem contraindicações.

Subscreva a newsletter Dose Diária.

Esteja em cima do acontecimento.

Ative as notificações do SAPO.

Damos tudo por tudo, para que não lhe falte nada de nada!

Siga o SAPO nas redes sociais. Use a #portalSAPO nas suas publicações.