"Vamos pedir a intervenção do Governo junto desta multinacional, para que impeça o encerramento da fábrica e defenda os interesses do país e o aparelho produtivo nacional, dado que é a única fábrica do país que produz vidro para automóveis", disse à agência Lusa Fátima Messias, coordenadora da Federação Portuguesa dos Sindicatos da Construção, Cerâmica e Vidro (FEVICCOM).

A concentração junto à residência oficial de S.Bento foi decidida pelos trabalhadores que se manifestaram hoje junto ao Ministério do Trabalho, onde foi pedida a marcação de uma reunião com a ministra Ana Mendes Godinho.

Segudo Fátima Messias, uma delegação sindical foi recebida por responsáveis do gabinete da ministra, que prometeram o agendamento de uma reunião para breve.

A FEVICCOM está também a aguardar a marcação de uma reunião, para a próxima semana, com o ministro da Economia, depois de, na sexta-feira, terem protestado junto ao seu Ministério.

"O Governo tem o direito e o dever de intervir neste processo, pois se a fábrica encerrar, o vidro para os automóveis, comboios e autocarros, que ali é produzido, passará a ser importado, o que agravará o défice", considerou a coordenadora da FEVICCOM.

Os trabalhadores da Saint-Gobain estão decididos a fazer tudo para manter a empresa e os seus postos de trabalho, estando há cerca de 20 dias concentrados junto à fábrica de Santa Iria, fardados, "disponíveis para retomar o trabalho de imediato".

RRA // EA

Lusa/Fim

A dose certa de informação. Sem contraindicações.

Subscreva a newsletter Dose Diária.

Esteja em cima do acontecimento.

Ative as notificações do SAPO.

Damos tudo por tudo, para não lhe falte nada de nada!

Siga o SAPO nas redes sociais. Use a #portalSAPO nas suas publicações.