Em comunicado, a easyJet referiu ter registado uma melhoria de 61 milhões de libras (71 milhões de euros) face ao ano anterior, impulsionada por um crescimento de 12% da capacidade e custos unitários estáveis, excluindo combustível.

O balanço de 146 milhões de libras (170 milhões de euros) em caixa garante à transportadora capital para apoiar o crescimento e o retorno para os acionistas, vincou.

Em Portugal, a easyJet afirma estar a registar melhorias nos lucros depois dos investimentos feitos em 2023 nas redes no Porto e em Lisboa.

No primeiro semestre do ano fiscal, a capacidade ultrapassou os 4,8 milhões de lugares, um aumento de 5% relativamente ao período homólogo, adiantou.

No primeiro semestre de 2024, a easyJet transportou mais de 4,3 milhões de passageiros de e para Portugal a partir dos cinco aeroportos em Portugal (Porto, Lisboa, Faro, Funchal e Porto Santo), um crescimento de 8% relativamente ao primeiro semestre de 2023.

Em geral, a easyJet espera melhorias no desempenho no segundo semestre e também a chegada de 16 aviões da família Airbus A320neo até ao final do ano.

A companhia revelou um acordo para a aquisição de uma instalação de manutenção de bases pesadas em Malta, dependente da aprovação das autoridades locais, e a abertura de uma décima base no Reino Unido em Southend, no sul de Inglaterra, no verão de 2025.

"O crescimento direcionado da easyJet e o enfoque na produtividade permitiram uma redução das perdas no inverno, impulsionadas pela nossa marca de confiança e pela rede em que continuamos a investir", referiu o presidente executivo da easyJet, Johan Lundgren, em comunicado.

O responsável referiu que as bases recentes, Alicante e Birmingham, "estão a atingir números de passageiros muito acima da média da rede".

"Estamos agora absolutamente concentrados em mais um verão recorde, que deverá proporcionar um forte crescimento dos lucros no ano fiscal de 2024 e estamos no bom caminho para atingir os nossos objetivos a médio prazo", vincou.

BM // SB

Lusa/Fim