"Vários grupos terroristas estão ativos nesse país [Afeganistão]. São combatentes experimentados vindos do Iraque e da Síria que estão a deslocar-se para lá", afirmou Putin.

O grupo 'jihadista' Estado Islâmico de Khorasan (IS-K), a organização armada mais radical no Afeganistão, está empenhado numa série de ataques numa campanha para desestabilizar o novo regime dos talibãs.

"É possível que os terroristas tentem desestabilizar os países vizinhos [...] até que empreendam uma expansão direta" nesses países, acrescentou o Presidente russo durante uma intervenção por videoconferência com os chefes dos serviços de segurança da Comunidade de Estados Independentes (CEI), que congrega as nações da ex-URSS.

"É importante monitorar constantemente a situação nas fronteiras afegãs", 

As declarações de Putin, escreve a agência de notícias France-Presse (AFP), refletem a preocupação da Rússia com a incerteza que se vive no Afeganistão desde que os talibãs regressaram ao poder após a retirada das tropas norte-americanas. 

O movimento islâmico tomou a capital afegã, Cabul, em agosto, após uma "ofensiva relâmpago" que levou ao derrube do Governo, apoiado por países ocidentais.

Durante o verão, a Rússia realizou manobras militares conjuntas no Tajiquistão e no Uzbequistão, dois países que fazem fronteira com o Afeganistão. 

Durante uma reunião com Putin, o chefe da segurança nacional do Tajiquistão, Saimumin Yatimov, relatou uma "intensificação" do tráfico de drogas, armas e munições na fronteira com o Afeganistão.

A Rússia considera o movimento talibã como terrorista, mas mantém o diálogo com o regime há anos. 

O Kremlin tem procurado ser conciliador desde que os talibãs assumiram o poder e indicou que os convidará para uma conferência internacional sobre o Afeganistão marcada para Moscovo a 20 deste mês.

 

JSD // EL

Lusa/Fim

A dose certa de informação. Sem contraindicações.

Subscreva a newsletter Dose Diária.

Esteja em cima do acontecimento.

Ative as notificações do SAPO.

Damos tudo por tudo, para não lhe falte nada de nada!

Siga o SAPO nas redes sociais. Use a #portalSAPO nas suas publicações.