Fotos de prateleiras vazias dominam as primeiras páginas da imprensa britânica esta manhã, ilustrando as queixas de grupos de supermercados, associação de produtores e transportadores de carne e companhias de combustível sobre a falta de mão-de-obra, que está já a afetar os seus serviços.

Os números oficiais mais recentes, divulgados pela BBC, indicam que um novo máximo de 618.903 pessoas recebeu, na semana entre 08 e 15 de julho. um alerta de que tiveram um contacto de risco através da aplicação de telemóvel do serviço público de saúde NHS em Inglaterra e País de Gales.

Esta notificação, apelidada informalmente de 'ping', estipula que a pessoa inicie um isolamento profilático de 10 dias desde o contacto, o que resultou no termo "pingdemia", que simboliza o impacto da situação na pandemia. 

Nas últimas semanas, o número de casos diários de covid-19 subiu substancialmente no Reino Unido devido à variante Delta, ultrapassando os 50.000 em alguns dias, o que está a afetar vários setores económicos.

O presidente do grupo de supermercados Iceland, Richard Walker, revelou ter sido forçado a fechar algumas lojas ou a reduzir o horário de funcionamento e a contratar temporariamente 2.000 funcionários adicionais para compensar a ausência de 1.000 dos 30.000 empregados atualmente em isolamento. 

Alguns postos de combustível da BP em Inglaterra também foram fechados devido à falta de motoristas para o abastecimento. 

"Esta 'pingdemia' atual está a aumentar a pressão sobre a capacidade dos retalhistas para manter o horário de funcionamento e as prateleiras cheias", afirmou o diretor da federação de retalhistas British Retail Consortium, Andrew Opie, urgindo o Governo a "agir rapidamente".

O primeiro-ministro, Boris Johnson, prometeu na segunda-feira isentar alguns trabalhadores essenciais da obrigação de se isolarem por dez dias se tiverem a vacinação completa ou um teste negativo, cuja lista de profissionais abrangidos deverá ser publicada hoje.

A medida será generalizada a partir de 16 de agosto para todos os vacinados e menores.

O Reino Unido, país europeu com maior número de mortos, quase 129 mil, levantou na segunda-feira a maior parte das restrições e medidas de distanciamento social, como o uso de máscara e limites aos ajuntamentos, apesar de enfrentar uma nova vaga da pandemia causada pela variante Delta, mais contagiosa.

É também um dos países mais avançados com o plano de imunização, tendo já inoculado 88% da população adulta com pelo menos uma dose, tendo 69% já a vacinação completa.

BM // PMC

Lusa/Fim 

 

A dose certa de informação. Sem contraindicações.

Subscreva a newsletter Dose Diária.

Esteja em cima do acontecimento.

Ative as notificações do SAPO.

Damos tudo por tudo, para não lhe falte nada de nada!

Siga o SAPO nas redes sociais. Use a #portalSAPO nas suas publicações.