"Por mim, não teria Carnaval, só que tem um detalhe, quem decide não sou eu. Segundo o STF [Supremo Tribunal Federal], quem decide são governadores e prefeitos. Não quero me aprofundar nessa que poderia ser nova polémica", disse Bolsonaro numa entrevista à rádio Sociedade da Bahia.

Questionado sobre uma possível nova onda de infeções pelo coronavírus que causa a doença covid-19 no Brasil, país onde os índices de mortes e novos casos provocados pela doença tem caído nos últimos meses devido à grande adesão da população às vacinas, o Presidente brasileiro respondeu afirmativamente.

"Outra onda, sim, está vindo. Não sei se outra cepa [estirpe] e vírus ou se acabou validade da vacina, os problemas estão aí. É uma realidade que temos que enfrentar, não adianta se esconder nem culpar ninguém por essa tragédia", afirmou Bolsonaro.

Embora se declare contra a realização do Carnaval, que gera muitas divisas ao país com turismo interno e externo em cidades importantes como São Paulo, Rio de Janeiro e Salvador, capital da Bahia, o Presidente brasileiro continua a dizer ser contra medidas restritivas de circulação na pandemia.

"Estou vendo que alguns países da Europa, sim, estão retomando medidas de 'lockdown'. Se tivermos outro 'lockdown' em estados e municípios pelo Brasil, vão quebrar a economia de vez em nosso país. Essa é nossa preocupação", concluiu.

Mais de 60 cidades do interior e do litoral de São Paulo, o estado mais populoso do Brasil, já anunciaram o cancelamento dos eventos públicos de Carnaval por causa da pandemia.

Este ano não houve celebrações oficiais do Carnaval no país.

A diretora-geral assistente da Organização Mundial da Saúde (OMS) para Acesso a Medicamentos, Mariângela Simão, disse, na última terça-feira, que o mundo vive uma quarta onda de casos de covid-19 e fez um alerta sobre o Carnaval no Brasil.

O Brasil já registou mais de 613 mil mortes e pelo menos 22 milhões de infeções por covid-19 desde o início da pandemia.

A doença provocou pelo menos 5.173.915 mortes em todo o mundo, entre mais de 258,9 milhões infeções pelo novo coronavírus registadas desde o início da pandemia, segundo o mais recente balanço da agência France-Presse.

A doença é provocada pelo coronavírus SARS-CoV-2, detetado no final de 2019 em Wuhan, cidade do centro da China, e atualmente com variantes identificadas em vários países.

 

CYR // JH

Lusa/Fim

A dose certa de informação. Sem contraindicações.

Subscreva a newsletter Dose Diária.

Esteja em cima do acontecimento.

Ative as notificações do SAPO.

Damos tudo por tudo, para não lhe falte nada de nada!

Siga o SAPO nas redes sociais. Use a #portalSAPO nas suas publicações.