A decisão de Umaro Sissoco Embaló foi tomada na sequência de uma reunião de Conselho de Ministros, realizada em 05 de novembro, e "visa reconhecer João Bernardo Vieira como um dos mais destacados combatentes da liberdade da pátria" e que Amílcar Cabral "reconheceu e consagrou como chefe de guerra, em 1970".

O Governo da Guiné-Bissau aprovou também a trasladação dos restos mortais do antigo presidente guineense João Bernardo "Nino" Vieira para a Amura, local onde estão sepultados os antigos chefes de Estado eleito do país, na segunda-feira.

A trasladação será no Dia das Forças Armadas da Guiné-Bissau.

Na fortaleza de São José D'Amura, sede do Estado-Maior General das Forças Armadas da Guiné-Bissau, já estão sepultados os restos mortais dos antigos presidentes Kumba Ialá, Malam Bacai Sanhá e de Amílcar Cabral, pai da Nação guineense.

João Bernardo "Nino" Vieira está atualmente sepultado do cemitério de Bissau a pedido de família.

O antigo chefe de Estado foi assassinado em 02 de março de 2009, horas depois de o chefe de Estado-Maior General das Forças Armadas general Tagme Na Waié ter sido morto numa explosão no antigo Estado-Maior General das Forças Armadas.

O Governo guineense decidiu também decretar tolerância de ponto na segunda-feira para que todos os funcionários públicos possam participar na cerimónia.

MSE // LFS

Lusa/Fim

A dose certa de informação. Sem contraindicações.

Subscreva a newsletter Dose Diária.

Esteja em cima do acontecimento.

Ative as notificações do SAPO.

Damos tudo por tudo, para não lhe falte nada de nada!

Siga o SAPO nas redes sociais. Use a #portalSAPO nas suas publicações.