"A polícia foi chamada por vizinhos quando ouviram os gritos da filha, enviamos uma patrulha ao local e conseguimos deter o suspeito, de 38 anos, que está em custódia policial e vai ser agora apresentado ao tribunal", disse à Lusa Henrique da Costa, comandante da Polícia Nacional de Timor-Leste (PNTL) em Díli.

O responsável policial explicou que o homem, que vivia no mesmo bairro, na zona oeste da capital, entrou na casa das vítimas ao início da madrugada, tentando violar a jovem quando esta estava a dormir.

"A jovem começou a gritar e a mãe, Domingas Soares, veio ao seu auxílio e o suspeito esfaqueou-a até à morte, ferindo também a filha que está hospitalizada", explicou.

Henrique da Costa disse que vizinhos ouviram os gritos e chamaram a polícia, tendo uma patrulha conseguido deter o suspeito pouco tempo depois na sua casa.

O crime, que está a causar consternação e uma onda de solidariedade em Timor-Leste, ocorre numa altura de um aumento no número de casos de crimes sexuais, como explicou o comandante da PNTL em Díli.

"Temos visto um aumento deste tipo de crimes", referiu.

Henrique da Costa sublinhou que o aumento da criminalidade está a esticar ao máximo os recursos da PNTL, notando que no caso de Díli são necessários mais agentes, mas também viaturas e equipamento de comunicação.

"Precisamos de mais pessoas para poder intensificar as patrulhas e responder melhor a estes e outros incidentes", referiu.

O assunto está a marcar os debates nas redes sociais em Timor-Leste, com várias pessoas a trocarem a sua foto de perfil pela foto da mãe.

O crime foi já condenado por várias pessoas, com a Fretilin, o maior partido do país e um dos três do Governo, a emitir hoje um comunicado sobre o caso.

"A Fretilin condena fortemente estes atos criminais que levaram a morte de Domingas Soares e a ferimentos a sua filha", referiu o secretário-geral da Fretilin, Mari Alkatiri, em comunicado enviado à Lusa.

"A Fretilin apela as autoridades de Segurança da Polícia Nacional de Timor-Leste para investigarem este crime de forma rigorosa e que o autor deste ato bárbaro seja levado à justiça. O Estado e toda a sociedade tem o dever de garantir que as nossas mulheres, crianças, jovens, famílias, podem sentir-se seguros dentro dos seus lares, dos seus bairros e na sociedade", sustentou.

Henrique da Costa disse que a polícia vai intensificar ações para tentar prevenir este tipo de crimes, com campanhas junto das escolas e visitas às comunidades locais.

"Queremos explicar às pessoas estes crimes e pedir que não tenham medo e denunciem caso ocorram", frisou.

Dados da criminalidade revelados este mês mostram que os crimes de violência sexual e abuso de menores reportados à polícia em Timor-Leste aumentaram significativamente em 2019, com os condenados por estes crimes a representarem já 28,6% da população prisional do país.

O número de casos de abusos sexuais de menores quintuplicou para 80 e o número de casos de violação mais que triplicou para 55.

As três prisões do país (Díli, Gleno e Suai), onde estavam no final de 2019 um total de 832 reclusos, têm atualmente quase 240 condenados por crimes sexuais, incluindo violação, violação agravada e abuso de menores.

Globalmente, os casos criminais em Timor-Leste atingiram em 2019 o seu nível mais elevado de sempre, com mais de 5250 casos reportados à Polícia Nacional de Timor-Leste (PNTL) durante o ano, com quase 43% no município da capital, Díli.

 

 

ASP//MIM

Lusa/Fim