Isabel Amaral Guterres, que falava à agência Lusa depois de uma visita ao Centro de Medicina de Reabilitação de Alcoitão, apontou o apoio técnico e mais recursos humanos como principais necessidades do sistema social timorense.

A ministra recordou que o primeiro programa bilateral de cooperação entre Portugal e Timor-Leste teve início em 2003 e sublinhou a importância do trabalho conjunto entre os dois países.

"Temos agora uma nova área de cooperação que é a área da reabilitação e por isso estamos a ver o que necessitamos, que apoios nos podem ser dados, a nível técnico e de recursos humanos", justificou a ministra.

Desde segunda-feira que Isabel Amaral Guterres está em Portugal para visitar várias instituições, no âmbito do reforço da cooperação com o Ministério do Trabalho, Solidariedade e Segurança Social de Portugal.

A representar o governo português, a secretária de Estado da Inclusão das Pessoas com Deficiência, Ana Sofia Antunes, mostrou-se disponível para "partilhar formação e conhecimento" com Timor-Leste.

"Ao longo desta semana temos procurado dar a conhecer as respostas que nós temos e as estruturas que temos a funcionar para verem o que é possível de vir a constituir em Timor-Leste em função da realidade do país, as respostas que eles precisam", acrescentou.

O memorando de entendimento entre os dois países para esta área será assinado na sexta-feira, segundo a secretária de Estado, sublinhando que há interesse em "trabalhar na cooperação internacional para dinamização da construção de um centro de reabilitação para a área da deficiência".

O programa bilateral de cooperação financia diferentes projetos de combate à pobreza e de promoção da inclusão social de grupos vulneráveis, designadamente crianças, jovens e idosos, e também projetos de desenvolvimento comunitário.

MYDM (CSR) // EL

Lusa/fim

A dose certa de informação. Sem contraindicações.

Subscreva a newsletter Dose Diária.

Esteja em cima do acontecimento.

Ative as notificações do SAPO.

Damos tudo por tudo, para que não lhe falte nada de nada!

Siga o SAPO nas redes sociais. Use a #portalSAPO nas suas publicações.