"Mostramos claramente que, mesmo após quase cinco anos, novas epidemias podem surgir da transmissão por seres humanos infetados durante uma epidemia anterior", lê-se no estudo, citado pela agência France-Presse.

A possibilidade resulta da análise de vírus retirados de 12 doentes infetados durante a anterior epidemia de Ébola, na Guiné-Conacri, país que faz fronteira com, entre outros, a Guiné-Bissau.

O surto, que terminou em junho, matou seis pessoas, um número baixo para uma doença relativamente pouco comum, mas particularmente mortal para os infetados.

O número contrasta fortemente com a epidemia de há alguns anos, que matou 11 mil pessoas entre 2013 e 2016 neste país africano e nos seus vizinhos.

Em cinco anos, aponta-se no estudo, o vírus mudou muito pouco, o que é uma surpresa, porque seria de esperar que o vírus tivesse sofrido uma mutação muito maior durante os últimos anos.

MBA // LFS

Lusa/Fim

A dose certa de informação. Sem contraindicações.

Subscreva a newsletter Dose Diária.

Esteja em cima do acontecimento.

Ative as notificações do SAPO.

Damos tudo por tudo, para não lhe falte nada de nada!

Siga o SAPO nas redes sociais. Use a #portalSAPO nas suas publicações.