Segundo o representante da autarquia portuguesa, Edinilson dos Santos, o gesto também se enquadra no âmbito das "excelentes relações pessoais" entre o presidente da Câmara de Oeiras, Isaltino Morais, e o procurador-geral da República guineense, Fernando Gomes.

Edinilson dos Santos disse ainda que a oferta deve ser entendida como ato de cooperação descentralizada da Câmara de Oeiras "para ajudar países irmãos da Comunidade dos Países da Língua Portuguesa [CPLP]". 

A justiça "é um pilar fundamental para um Estado de direito democrático" nos países da CPLP, notou. 

"Qualquer entidade que queira desenvolver a sua parceria para a consolidação de Estado de direito democrático tem de apoiar a justiça", disse Edinilson dos Santos. 

O representante da Câmara Municipal de Oeiras garantiu que a sua instituição vai continuar a ajudar o povo guineense, "em qualquer momento como já tinha feito no passado na área da educação e saúde", e agora apoia a PGR.

O procurador-geral da República, Fernando Gomes, agradeceu o apoio da Câmara de Oeiras, que vai ajudar a melhorar a prestação dos magistrados, que, observou, deparam-se com "dificuldades inimagináveis".

"Em pleno século XXI, alguns serviços da Procuradoria-Geral da República da Guiné-Bissau continuam a trabalhar com máquinas antigas do século XIX. Procuradores-gerais adjuntos e magistrados que já estão no topo de carreira não têm computadores e muito menos magistrados a nível dos tribunais", lamentou o procurador-geral guineense.

MB // LFS

Lusa/Fim

A dose certa de informação. Sem contraindicações.

Subscreva a newsletter Dose Diária.

Esteja em cima do acontecimento.

Ative as notificações do SAPO.

Damos tudo por tudo, para não lhe falte nada de nada!

Siga o SAPO nas redes sociais. Use a #portalSAPO nas suas publicações.