Esta agência da ONU assinalou nas últimas semanas a chegada de 1.297 pessoas à cidade de Kapise, a 100 quilómetros a sul da capital, Lilongwe, 900 das quais ainda não foram registadas. Das quase 1.300 pessoas, dois terços são mulheres e crianças.

Foi referida ainda a chegada de 400 outras pessoas a 16 localidades da região de Chikwawa, no sul do país.

Os refugiados vêm na maioria da província moçambicana de Tete e contaram aos funcionários do ACNUR que fugiam das lutas entre as forças governamentais e a RENAMO, o principal partido da oposição em Moçambique.

Em meados de 2015, o ACNUR registou 700 chegadas de Moçambique e acordou acolher os refugiados no Malawi por se tratar de uma situação provisória, mas a situação agravou-se nas últimas semanas e o Malawi já dá apoio a 25.000 deslocados no campo de Dzaleka, a 35 quilómetros da capital.

Os recursos são limitados e o governo do Malawi já está a analisar a possibilidade de reabrir o campo de Luwani, que recebeu cerca de um milhão de refugiados durante a guerra civil de Moçambique (1977-1992).

Além do ACNUR que colabora com as autoridades na receção dos refugiados, estão a prestar ajuda o Programa Alimentar Mundial e os Médicos Sem Fronteiras.

PAL // APN

Lusa/fim

A dose certa de informação. Sem contraindicações.

Subscreva a newsletter Dose Diária.

Esteja em cima do acontecimento.

Ative as notificações do SAPO.

Damos tudo por tudo, para não lhe falte nada de nada!

Siga o SAPO nas redes sociais. Use a #portalSAPO nas suas publicações.