Renamo desviou as atenções dos riscos de terrorismo em Moçambique - investigador

O especialista em assuntos africanos Luca Bussotti considerou hoje que o Governo moçambicano ignorou o perigo de terrorismo em Moçambique por estar focado no "inimigo histórico" Renamo, salientando que a radicalização islâmica já acontece há alguns anos.

"Este movimento não aconteceu agora, mas provavelmente a 'intelligence' moçambicana estava virada para o inimigo histórico -- a Resistência Nacional Moçambicana [Renamo]- e não se apercebeu destes grupos radicais que já atuavam entre Nampula e Cabo Delegado", sublinhou, em declarações à Lusa, o diretor académico da Universidade Técnica de Moçambique (UDM).

A onda de violência na província de Cabo Delgado (dois mil quilómetros a norte de Maputo, no extremo norte de Moçambique, junto à Tanzânia) ganhou projeção mediática após um ataque armado a postos de polícia de Mocímboa da Praia, em outubro de 2017, e desde então foram noticiados dezenas de ataques que provocaram a morte a cerca de 100 pessoas, de acordo com números oficiais.

De segunda a sábado,

consulte os especialistas em Motores, Atualidade, Entretenimento, Lifestyle, Tecnologia e Desporto.

Subscreva para receber no seu email, a dose diária recomendada de informação, sem contraindicações.