O industrial Dow Jones caiu 0,25% para 38.699 pontos, o alargado S&P recuou 1,07% para 4.967,94 e o tecnológico Nasdaq perdeu 2,16% para 15.598,88 pontos.

A taxa de inflação homóloga nos Estados Unidos abrandou em janeiro, para 3,1%, o que compara com os 3,4% registados em dezembro, de acordo com o índice de preços no consumidor publicado hoje pelo Departamento do Trabalho.

Apesar do abrandamento, a taxa fixou-se acima da expectativa dos analistas, que esperavam vê-la cair para abaixo dos 3%.

Na comparação mensal, o aumento dos preços foi de 0,3%, contra 0,2% em dezembro, impulsionado sobretudo pela habitação.

Entre os 'pesos pesados' do mercado destaque para a queda de 2,3% da Microsoft e de 2,1% para a Nvidia, enquanto o índice Russell 2000 recuou 3%.

Os mercados estão especialmente atentos à evolução dos dados da inflação numa altura em que esperam que a Reserva Federal (Fed) norte-americana comece a reduzir as taxas de juro.

Alguns analistas alertaram que os dados da inflação poderiam significar não apenas um atraso nos cortes das taxas, mas poderiam até aumentar a possibilidade de a Fed aumentar ainda mais as taxas.

"Até prova em contrário, a tendência de arrefecimento da inflação a longo prazo ainda está em vigor", disse o analista da E-Trade do Morgan Stanley, Chris Larkin, considerando que os dados de hoje são um sinal de porque a Fed estava inclinada a esperar para avançar com a redução das taxas.

Na última reunião, nos dias 30 e 31 de janeiro, o banco central dos EUA decidiu manter o intervalo de taxas diretoras entre 5,25% e 5,5%, o nível mais elevado desde 2001.

Após o anúncio, o presidente da Fed, Jerome Powell, disse que se a economia tiver o desempenho esperado e a inflação continuar a diminuir de forma constante, provavelmente será apropriado começar a reduzir as taxas este ano.

AAT// SF

Lusa/Fim

A dose certa de informação. Sem contraindicações.

Subscreva a newsletter Dose Diária.

Esteja em cima do acontecimento.

Ative as notificações do SAPO.

Damos tudo por tudo, para que não lhe falte nada de nada!

Siga o SAPO nas redes sociais. Use a #portalSAPO nas suas publicações.