A concessionária Wynn e as subconcessionárias Sands China e MGM China destacaram o processo legislativo eficiente e bem-sucedido, de acordo com comunicados das três empresas.

A Wynn acrescentou que espera "trabalhar em estreita colaboração com o Governo à medida que as alterações à lei forem introduzidas", enquanto a Sands China afirmou que "continua otimista quanto ao futuro de Macau" e vai apresentar a "proposta para uma concessão de jogo de acordo com o calendário estabelecido pelo governo da RAEM [Região Administrativa Especial de Macau]".

A Assembleia Legislativa (AL) de Macau aprovou a alteração ao regime jurídico de exploração do jogo em casino, quando os atuais contratos das concessionárias vão ser estendidos até ao final deste ano.

O secretário para a Economia e Finanças, Lei Wai Nong, salientou que, com esta proposta, o Governo quer garantir o mercado sustentável e saudável, expandir o mercado de clientes, reforçar a fiscalização e, ao mesmo tempo, salvaguardar a segurança nacional da China e de Macau.

A nova lei do jogo limita o prazo de concessão a 10 anos, metade do atualmente vigente, determina um total máximo de seis concessionárias de jogo e proíbe as subconcessões.

Único local na China onde o jogo em casino é legal, Macau tem atualmente três concessionárias, Sociedade de Jogos de Macau (SJM), Galaxy e Wynn, e três subconcessionárias, MGM, Venetian (Sands China) e Melco.

As atuais licenças de jogo terminam em 31 de dezembro e o Governo quer avançar com um concurso público para atribuir novas concessões.

O jogo representa cerca de 80% das receitas do Governo e 55,5% do Produto Interno Bruto (PIB) de Macau, numa indústria que dá trabalho a mais de 80 mil pessoas, ou seja, a 17,23% da população empregada.

As receitas do jogo em Macau desceram 44% nos primeiros cinco meses do ano, comparativamente a igual período do ano passado.

Em 2019, as operadoras obtiveram receitas de 292,4 mil milhões de patacas (cerca de 31 mil milhões de euros) e o território recebeu quase 40 milhões de visitantes, números que caíram drasticamente desde o início da pandemia de covid-19.

EJ // LFS

Lusa/Fim

A dose certa de informação. Sem contraindicações.

Subscreva a newsletter Dose Diária.

Esteja em cima do acontecimento.

Ative as notificações do SAPO.

Damos tudo por tudo, para que não lhe falte nada de nada!

Siga o SAPO nas redes sociais. Use a #portalSAPO nas suas publicações.