Segundo um comunicado da Bolsa de Dívida e Valores de Angola (Bodiva), o preço das ações foi fixado em cinco mil kwanzas para o público em geral, órgãos sociais e trabalhadores, que poderiam aceder a 10% do capital, e 3.399 kwanzas para os acionistas angolanos a quem estavam reservados os restantes 15%.

No total, os oferentes (Sonangol EP e Sonangol Holding, empresas da petrolífera estatal angolana) arrecadaram o correspondente a 20.197 milhões de kwanzas.

A procura superou a oferta em 142,02% tendo sido consideradas as ordens de compra com o preço unitário final da oferta e contemplados 693 dos 706 subscritores.

Dos investidores contemplados, 600 pertenciam ao público em geral, 91 aos trabalhadores e órgãos sociais e os outros dois eram os acionistas angolanos que já detinham 12% do banco cada um (os empresários Jaime Freitas e António Mosquito)

No próximo dia 29 de setembro as ações serão admitidas à negociação na Bodiva.

Esta é a segunda entrada em bolsa este ano, depois da operação lançada pelo Banco Angolano de Investimento (BAI), onde o Estado angolano alienou também as ações que detinha através da Sonangol e da diamantífera estatal Endiama.

 

RCR // LFS

Lusa/fim

A dose certa de informação. Sem contraindicações.

Subscreva a newsletter Dose Diária.

Esteja em cima do acontecimento.

Ative as notificações do SAPO.

Damos tudo por tudo, para que não lhe falte nada de nada!

Siga o SAPO nas redes sociais. Use a #portalSAPO nas suas publicações.