"Há duas dimensões quando falamos de um aumento de rendas", adiantou a governante, que hoje esteve no Porto, num debate promovido pela Associação dos Industriais da Construção Civil e Obras Públicas (AICCOPN), apontando os novos contratos ou a renovação de contratos.

"Há a dimensão dos novos contratos, que é a medida que está no Mais Habitação e que, na verdade, aquilo que diz é que um arrendamento que existia, cujo contrato cessa, e é feito um novo contrato sobre a mesma habitação, essa renda está limitada à renda que existia - independentemente da aplicação dos coeficientes, obviamente, - a um limite de 2%", garantiu.

No caso das renovações de contratos "há uma segunda dimensão" que são "os contratos existentes" e que estão indexados "àquele que é o termo legal" que "está indexado à inflação e que no próximo ano é de cerca de 6,94%".

Estes valores só não se aplicam à "nova oferta que existe e que, pela primeira vez é colocada no mercado" e que pertence "ao mercado livre que funciona por si", destacou, indicando "há um conjunto de benefícios, estão associados a projetos que o Governo no fundo fomentou, como o do arrendamento acessível. Mas estamos sempre a falar de nova oferta, não é oferta que já está no mercado", esclareceu.

Questionada sobre a forma como irá ser fiscalizado o cumprimento da lei, a governante recordou que "a maior forma de fiscalização é através do seu registo", lembrando "que estes contratos estão sujeitos a imposto de selo e, portanto, são registados no portal das Finanças".

A ministra rejeitou que a lei não seja clara ou que abra caminho a aumentos de renda muito superiores a estes limites.

"Não há como ser vago, há uma determinação do coeficiente que é legal, ou seja, nem sequer é uma decisão de qualquer entidade ou de Estado do que seja, é o coeficiente decorrente da inflação menos à habitação", assegurou.

Ainda assim, a ministra assegurou que a fiscalização tem sido reforçada, destacando que deve ser garantido "o cumprimento da lei".

Questionada sobre os atrasos denunciados por empresários de Alojamento Local no sistema para a entrega do comprovativo de atividade, a ministra disse que "nos últimos dias, houve quase uma duplicação do número de pedidos e de remessa da documentação, o que faz que haja alguns constrangimentos na plataforma", tendo em conta o aproximar do final do prazo.

Marina Gonçalves garantiu, no entanto, que sistema "está a funcionar".

ALN // MSF

Lusa/Fim

A dose certa de informação. Sem contraindicações.

Subscreva a newsletter Dose Diária.

Esteja em cima do acontecimento.

Ative as notificações do SAPO.

Damos tudo por tudo, para que não lhe falte nada de nada!

Siga o SAPO nas redes sociais. Use a #portalSAPO nas suas publicações.