"Na nossa reunião de junho, temos de dar um sinal claro da direção que vamos seguir. Na minha perspetiva, temos então, em julho, de dar um primeiro passo" nesse sentido e "mais se seguirão na segunda metade do ano", disse o presidente do banco central alemão à publicação.

Segundo Nagel, não é para já expectável uma redução da inflação, que tanto na Alemanha como na União Europeia no seu conjunto, atingiu 7,4%.

"A inflação não vai descer de um dia para o outro, pode levar algum tempo. É importante que as expectativas de inflação a longo prazo estejam bem ancoradas", referiu.

Ainda assim, Nagel está otimista quanto à evolução da economia alemã e afirmou que "não está assim tão mal: antes da guerra contávamos, para 2022, com um crescimento superior a 4%. Agora pode ficar pela metade", disse, rematando que "com um crescimento de cerca de 2% nem tudo é mau".

O presidente do Bundesbank não acredita que seja provável um cenário de 'estagflação' (inflação elevada e estagnação económica), considerando que "a situação continua sólida".

Nagel também não acredita no perigo de, em alguns países da União Europeia (UE), a situação se deteriorar devido aos elevados níveis de dívida e ao aumento das taxas de juro, como em Itália, indicando que "é verdade que o nível da dívida italiana voltou a aumentar durante a pandemia".

"Mas as perspetivas de risco para a dívida pública não são muito altas", disse Nagel, defendendo que o Banco Central Europeu (BCE) não deve intervir na ajuda a alguns países.

ALYN // CSJ

Lusa/Fim

A dose certa de informação. Sem contraindicações.

Subscreva a newsletter Dose Diária.

Esteja em cima do acontecimento.

Ative as notificações do SAPO.

Damos tudo por tudo, para que não lhe falte nada de nada!

Siga o SAPO nas redes sociais. Use a #portalSAPO nas suas publicações.