O leilão "permitiu atingir um objetivo" que a Anacom sempre "considerou relevante", que é o aumento da concorrência em Portugal, o que beneficia consumidores e utilizadores, considerou João Cadete de Matos, na conferência de imprensa sobre o leilão 5G, que terminou na quarta-feira, com o valor final da receita de 566,802 milhões de euros, cerca de 0,26% do PIB português.

Com este leilão, Portugal passa a contar com cinco operadores móveis -- Meo (Altice Portugal), NOS, Vodafone Portugal, Nowo e Dixarobil (grupo romeno Digi) - "destinados à comercialização de ofertas para toda a população" e "outro para ofertas grossistas", a Dense Air, acrescentou.

Este é "um passo histórico" em termos de concorrência e Portugal passa a "estar na divisão dos países com concorrência mais efetiva", salientou.

ALU // JNM

Lusa/Fim

A dose certa de informação. Sem contraindicações.

Subscreva a newsletter Dose Diária.

Esteja em cima do acontecimento.

Ative as notificações do SAPO.

Damos tudo por tudo, para não lhe falte nada de nada!

Siga o SAPO nas redes sociais. Use a #portalSAPO nas suas publicações.