"A medida decorre da prevalência de elevados riscos e incertezas subjacentes às projeções de inflação", não obstante "a manutenção das perspetivas de inflação num dígito, no médio prazo", anunciou em comunicado.

Adicionalmente, o CPMO decidiu aumentar os coeficientes de Reservas Obrigatórias para os passivos em moeda nacional de 10,5% para 28,0%, e em moeda estrangeira de 11,5% para 28,5%.

O objetivo desta medida é "absorver a liquidez excessiva no sistema bancário, com tendência de gerar uma pressão inflacionária".

As perspetivas de crescimento económico, para o médio prazo, "foram ligeiramente revistas em baixa". 

"Esta revisão decorre da maior restritividade das condições financeiras a nível global e consequente abrandamento da atividade económica dos principais parceiros comerciais do país", conclui.

A próxima reunião ordinária do CPMO está marcada para 29 de março.

LFO // LFS

Lusa/Fim

 

A dose certa de informação. Sem contraindicações.

Subscreva a newsletter Dose Diária.

Esteja em cima do acontecimento.

Ative as notificações do SAPO.

Damos tudo por tudo, para que não lhe falte nada de nada!

Siga o SAPO nas redes sociais. Use a #portalSAPO nas suas publicações.