À margem de uma visita ao projeto "Primeira Pedra", em Lisboa, Marcelo Rebelo de Sousa foi questionado sobre o debate no parlamento que decorreu no dia anterior e as explicações que o primeiro-ministro, António Costa, deu aos deputados sobre a situação que se vive no setor da saúde.

"Uma coisa é certa: o senhor primeiro-ministro reconheceu que há problemas estruturais, graves, situações inaceitáveis. Eu acho que é muito importante quando os governantes percebem que as coisas não estão bem", sublinhou.

Apesar de assumir que "não é o suficiente", para o Presidente da República "é um começo de atitude positiva porque normalmente ou muitas vezes acontece que os governantes não veem a realidade".

"O povo vive de uma maneira e os que estão com maiores responsabilidades políticas não veem essa realidade toda. Se veem a realidade isso já é um bom começo de conversa", enfatizou.

Quanto ao impasse das negociações entre Governo e sindicatos, Marcelo Rebelo de Sousa espera que quanto a essa "pequena parte do problema" haja "maior sucesso" na próxima reunião.

"Como o Governo já admitiu, há coisas mais fundas e mais amplas e o próprio primeiro-ministro teve de admitir que há que alterar gestão, reestruturar, mudar em muitos aspetos e por aí passa também a resolução do problema mais amplo da saúde", avisou.

JF // SF

Lusa/fim

A dose certa de informação. Sem contraindicações.

Subscreva a newsletter Dose Diária.

Esteja em cima do acontecimento.

Ative as notificações do SAPO.

Damos tudo por tudo, para que não lhe falte nada de nada!

Siga o SAPO nas redes sociais. Use a #portalSAPO nas suas publicações.