"Temos de admitir que depois do primeiro trimestre fomos demasiado otimistas", afirmou o presidente do instituto de investigações económicas alemão (IWH) de Halle.

Em 2022, a previsão é de uma clara recuperação com um crescimento de 4,8%, de acordo com o relatório conjunto apresentado hoje em Berlim. Na primavera, o crescimento para 2022 foi estimado em 3,9%.

Os institutos observam que a atividade económica continua a ser afetada pela pandemia e que a normalização só ocorrerá no decurso de 2022.

Segundo os institutos, as empresas estão a ser afetadas por problemas nas cadeias de abastecimento que estão a atrasar a chegada dos fatores de produção.

No próximo ano, espera-se que os problemas com estes fornecimentos sejam ultrapassados, o que dará um impulso significativo ao crescimento.

A taxa de inflação, de acordo com o relatório, será de 3% este ano e de 2,5% no próximo ano.

Em 2022, os institutos esperam uma redução da dívida de 71% para 67% do PIB.

O défice será de 4,9% do PIB este ano e cairá para 2,1% no próximo ano, segundo as previsões hoje conhecidas.

A taxa de desemprego é estimada pelos institutos em 5,7% este ano e em 5,3% em 2022.

Apesar da recuperação, os especialistas advertem que vários desafios como a luta contra a crise climática e a transformação demográfica conduzirão a níveis de crescimento mais baixos nos próximos anos.

MC // JNM

Lusa/Fim

A dose certa de informação. Sem contraindicações.

Subscreva a newsletter Dose Diária.

Esteja em cima do acontecimento.

Ative as notificações do SAPO.

Damos tudo por tudo, para não lhe falte nada de nada!

Siga o SAPO nas redes sociais. Use a #portalSAPO nas suas publicações.