O projeto Magellan 500 foi apresentado pela primeira vez em público no colóquio "Novo aeroporto: tempo de decidir", promovido pelo Conselho Económico e Social (CES), em Lisboa.

Segundo o gestor Carlos Brazão, o projeto prevê "dentro de aproximadamente 15 anos - e provavelmente até mais cedo - 50 milhões de passageiros e dentro de 40 anos 100 milhões de passageiros".

A ideia é fazer uma construção faseada, começando com uma pista e capacidade de até 10 milhões de passageiros por ano, até chegar à última fase, que prevê a existência de três pistas e uma capacidade "pode ir além dos 100 milhões de passageiros por ano, sempre com expansão incremental do mesmo plano diretor inicial", explicou o gestor.

"Parece-nos claro que, se queremos evitar continuar nos próximos 30 ou 40 anos a discutir aeroportos, como nos últimos 50, é, provavelmente, para estes níveis de procura que devemos trabalhar desde já", defendeu Carlos Brazão.

De acordo com o gestor, os tempos de acesso ao aeroporto, exemplificando com 29 minutos em Alfa Pendular entre Santarém e Lisboa, "são suportados por uma localização de excelência", com a existência da linha ferroviária do norte e a autoestrada A1.

Assim, defendeu, um aeroporto em Santarém permite colocar "mais de quatro milhões de pessoas a pouco mais de uma hora", "desde o primeiro dia e sem custos públicos adicionais".

O responsável destacou ainda, em termos ambientais, a "seleção criteriosa da localização e do layout das pistas em função das áreas protegidas remotas", bem como a minimização do ruído sobre a população, "já com a futura aviação sustentável em mente, incluindo elétrica e hidrogénio".

O projeto Magellan 500 é de iniciativa privada, promovido fora da atual concessão da ANA Aeroportos.

Na mesma ocasião, o gestor Carlos Nunes Lopes defendeu a localização Montijo, o ex-presidente do Laboratório Nacional de Engenharia Civil (LNEC), Carlos Matias Ramos, defendeu Alcochete, o ex-presidente da NAER -- Novo Aeroporto, Rui Sérgio, manifestou-se favorável à construção de um aeroporto na Ota, e o professor universitário António Carmona Rodrigues apoiou uma solução aeroportuária em Alverca.

A Comissão Técnica que irá levar a cabo a avaliação ambiental estratégica para o novo aeroporto de Lisboa vai estudar cinco soluções, podendo ainda propor mais caso entenda.

Em causa, está a solução em que o Aeroporto Humberto Delgado fica como aeroporto principal e Montijo como complementar, uma segunda em que o Montijo adquire progressivamente o estatuto de principal e Humberto Delgado de complementar, uma terceira em que Alcochete substitui integralmente o Aeroporto Humberto Delgado, uma quarta em que será este aeroporto o principal e Santarém o complementar e uma quinta em que Santarém substitui integralmente Humberto Delgado.

MPE // JNM

Lusa/Fim

A dose certa de informação. Sem contraindicações.

Subscreva a newsletter Dose Diária.

Esteja em cima do acontecimento.

Ative as notificações do SAPO.

Damos tudo por tudo, para que não lhe falte nada de nada!

Siga o SAPO nas redes sociais. Use a #portalSAPO nas suas publicações.