Concerto "Espírito Radical" abre sexta-feira última edição do Próximo Futuro

O concerto "Espírito radical", pela Orquestra de Câmara Portuguesa (OCP), abre na sexta-feira a última edição do Próximo Futuro na Fundação Calouste Gulbenkian, em Lisboa, que inclui cinema, teatro, música, debates e exposições.

No concerto, com conceção do programador António Pinto Ribeiro, e do maestro e músico Pedro Carneiro, vão ser interpretadas as peças "Okho", de Iannis Xenakis, e "Workers Union", de Louis Andriessen, a partir das 21:30, no grande auditório da fundação, repetindo no sábado, às 19:00.

Esta sétima e última edição apresentou uma primeira programação cultural em junho, e entre sexta-feira e 15 de setembro decorre a de encerramento, ambas desenhadas por António Pinto Ribeiro antes do desentendimento com a fundação, que levou à sua demissão, em abril deste ano.

De acordo com a programação, o público vai ter a possibilidade de partilhar o palco com a OCP através da leitura de textos selecionados de Amílcar Cabral e Frantz Fanon.

Na Casa-Arquivo, uma construção temporária no Jardim Gulbenkian, realiza-se o ciclo de curtas e médias metragens, nos dias na sexta-feira, durante o fim de semana e ainda no dia 11 de setembro, com a exibição, entre outras, das películas "Muxima", de Alfredo Jaar, e "Conga Irreversible", de Los Carpinteros.

No Teatro Aberto, no fim de semana e na segunda-feira, é levada à cena a peça "El loco y la camisa", numa encenação da companhia argentina de teatro independente Banfield Teatro Ensemble, a primeira das cinco peças de teatro programadas para a quinzena.

Domingo, segunda e terça-feira, no anfiteatro da fundação, vai estar em cena "Vou lá visitar pastores", uma encenação de Manuel Wiborg a partir da obra do escritor e cineasta angolano Ruy Duarte Carvalho, falecido em 2010.

De 09 a 13 de setembro, a companhia chilena Silencio Blanco, que trabalha com marionetas feitas de papel e em silêncio, para fazer espetáculos intimistas, apresenta "Chiflón, el silencio del carbón", releitura do conto 'El chiflón del diablo', de Baldomero Lillo.

Nos dois últimos dias -- 14 e 15 de setembro -- é apresentado, no grande auditório Gulbenkian, "A circularidade do quadrado", do grego Dimitris Dimitriadis, numa encenação de Dimitris Karantzas.

Iniciativa lançada em 2009 pela Fundação Calouste Gulbenkian, o programa Próximo Futuro tem como objetivo trazer artistas a Lisboa para cruzar a cultura contemporânea de países africanos, europeus e da América Latina e das Caraíbas.

 

AG (NL)//GC

Lusa/Fim

De segunda a sábado,

consulte os especialistas em Motores, Atualidade, Entretenimento, Lifestyle, Tecnologia e Desporto.

Subscreva para receber no seu email, a dose diária recomendada de informação, sem contraindicações.