Em comunicado, O SOS Racismo exige "que tanto a agência Lusa como outros órgãos de comunicação, mais do que comprometidos com os seus códigos deontológicos profissionais e com as normas éticas de uma e para uma sociedade digna, assumam uma atuação antidiscriminatória e antirracista".

A nota acrescenta que esta atuação passa "não só pela forma como tratam as notícias relacionadas com as minorias e a diversidade étnico-racial, como admitindo no seu seio trabalhadores desses grupos".

"Apesar do retratamento público da agência e a demissão do seu editor de política, o SOS Racismo espera que as investigações iniciadas para averiguar o sucedido sejam céleres nas suas conclusões e que sejam tomadas medidas consequentes", explicita.

A Direção de Informação da Lusa divulgou uma nota aos clientes ao início da madrugada de hoje a lamentar "profundamente" a difusão desta notícia, na quinta-feira, em que a deputada do PS foi identificada "de modo inaceitável, contra todas as regras éticas e profissionais constantes do Código Deontológico dos Jornalistas e do Livro de Estilo da Lusa".

A nota acrescentava que a Direção de Informação iria "proceder a uma averiguação sobre o que aconteceu" e apresentava as "desculpas à deputada, ao Partido Socialista" e a "todos os clientes e leitores" da agência.

Hoje, a Direção de Informação informou que aceitou o pedido de demissão do editor de Política e que, "tendo em vista o dano moral e reputacional provocado na imagem da agência, instaurou um processo de averiguações" ao jornalista que redigiu a notícia, para "averiguar as circunstâncias" em que foi elaborada.

AFE (ICO) // RBF

Lusa/Fim

A dose certa de informação. Sem contraindicações.

Subscreva a newsletter Dose Diária.

Esteja em cima do acontecimento.

Ative as notificações do SAPO.

Damos tudo por tudo, para não lhe falte nada de nada!

Siga o SAPO nas redes sociais. Use a #portalSAPO nas suas publicações.