Ike Ekweremadu, senador distrital e advogado, de 60 anos, e a sua mulher, Beatrice Nwanneka Ekweremadu, de 55 anos, foram acusados de conspiração para organizar ou facilitar a viagem de outra pessoa com o objetivo de exploração, "ou seja, extração de órgãos".

Os dois suspeitos foram presentes ao Tribunal de Uxbridge, no oeste de Londres, noticiou a agência Associated Press (AP).

Na audiência, confirmaram que residem na Nigéria e foram mantidos sob detenção até serem presentes novamente em tribunal, em 07 de julho, noticiou a televisão britânica BBC.

A Polícia Metropolitana referiu que a criança foi levada para um local seguro.

A força policial acrescentou que os detetives iniciaram uma investigação depois de terem sido alertados para um possível crime de escravidão em maio.

Ike Ekweremadu foi recentemente nomeado professor visitante na Universidade de Lincoln, no norte da Inglaterra.

Um porta-voz da universidade disse que os professores visitantes "são muitas vezes, como neste caso, não residentes na universidade, não remunerados e consultivos".

"Estamos profundamente preocupados com a natureza dessas alegações, mas como esta é uma investigação policial ativa, não podemos comentar mais nesta fase", acrescentou o porta-voz da universidade.

DMC // RBF

Lusa/Fim

A dose certa de informação. Sem contraindicações.

Subscreva a newsletter Dose Diária.

Esteja em cima do acontecimento.

Ative as notificações do SAPO.

Damos tudo por tudo, para que não lhe falte nada de nada!

Siga o SAPO nas redes sociais. Use a #portalSAPO nas suas publicações.