"Daqui até domingo, as pessoas que ainda não decidiram, ou então que já decidiram e não tinham reparado neste ponto, têm de voltar a refletir um bocadinho para saber o que é que colocam em primeiro lugar: tirar o PS ou eleger mais um deputado de um partido pequeno que não tenha deputado nenhum ou que eventualmente possa ter um e queira ter um ou dois ou três", declarou Rui Rio.

O presidente do PSD falava durante uma sessão temática de campanha numa tenda aberta em Leiria, depois de ouvir o ex-deputado António Leitão Amaro e Paulo Mota Pinto, cabeça de lista do PSD neste círculo eleitoral, fazerem apelos idênticos.

Paulo Mota Pinto disse que "quem pensa que pode não votar em Rui Rio e tirar António Costa está muito enganado" porque essa opção pode resultar num "voto em António Costa".

"O único voto que remove o PS, que remove António Costa é o voto em Rui Rio", defendeu Mota Pinto, que preside ao Conselho Nacional do PSD.

Antes, António Leitão Amaro, que na recente disputa interna pela liderança do PSD apoiou Paulo Rangel contra Rui Rio, considerou que "não há oportunidade de desperdiçar votos" nas eleições legislativas de domingo.

Leitão Amaro, que em 2019 decidiu sair do parlamento e não se recandidatar a deputado, dirigiu-se aos eleitores que ponderam "um voto para dar uma corzinha" a uma eventual maioria de direita, "mais à direita, mais liberal".

"Arriscam-se, votando num dos pequeninos, a votarem numa maioria derrotada", alertou Leitão Amaro, argumentando que o voto útil se justifica ainda mais em círculos eleitorais como o seu, o de Viseu, em que "cada voto é mais um deputado do PS ou mais um deputado do PSD".

No final desta sessão das "Conversas Centrais", que teve como tema "o regime", o presidente do PSD juntou-se a estes apelos.

Segundo Rui Rio, "para aqueles para quem a prioridade é que o doutor António Costa e o PS não continuem a chefiar o Governo do país só há um voto verdadeiramente útil para esse efeito concreto, que é no único partido que tem força para que isso possa acontecer, que é o PSD".

"No momento de votar as pessoas têm de optar e têm de ver o que é que colocam em primeiro lugar: eleger eventualmente mais um deputado de um pequeno partido, mas manter o doutor António Costa, ou abdicar disso e dizer: a minha prioridade é tirar os socialistas -- e agora, à medida que a campanha avança, com os socialistas outra vez mais ligados ao BE e ao PCP", reforçou.

IEL // LFS

Lusa/Fim

 

A dose certa de informação. Sem contraindicações.

Subscreva a newsletter Dose Diária.

Esteja em cima do acontecimento.

Ative as notificações do SAPO.

Damos tudo por tudo, para que não lhe falte nada de nada!

Siga o SAPO nas redes sociais. Use a #portalSAPO nas suas publicações.