"A PJ deteve hoje ao princípio da tarde três suspeitos", disse à Lusa fonte daquela força de investigação criminal.

Segundo a mesma fonte, os três detidos são o diretor-geral de administração do sistema de saúde, Silvino N'Dafa Brava, o administrador regional de saúde, Osvaldo Simão Fiare, e o diretor administrativo e financeiro do Ministério da Saúde, Samba Baldé.

Em causa está o alegado desvio de 100 milhões de francos cfa (cerca de 152 mil euros) de vários centros de saúde da região sanitária de Bafatá.

A imprensa guineense referiu que o dinheiro faria parte de um projeto de cooperação para reforço de assistências nos centros de saúde a mulheres e crianças.

O Ministério da Saúde desvalorizou, na sexta-feira, em declarações à imprensa o alegado desvio, afirmando que se tratou de um "ato administrativo legal".

"O Ministério da Saúde, mediante uma declaração previamente elaborada, mandou emprestar dinheiro das suas estruturas sanitárias, a título devolutivo, um ato meramente administrativo e legal e não constitui assim um roubo ou desvio como está a ser especulado nos órgãos de comunicação social", afirmou sexta-feira o diretor-geral de administração do sistema de saúde, Silvino N'Dafa Brava, hoje detido.

"A PJ prossegue as investigações e poderá fazer mais detenções", acrescentou a fonte daquela força de investigação criminal.

MSE // JH

Lusa/Fim

A dose certa de informação. Sem contraindicações.

Subscreva a newsletter Dose Diária.

Esteja em cima do acontecimento.

Ative as notificações do SAPO.

Damos tudo por tudo, para não lhe falte nada de nada!

Siga o SAPO nas redes sociais. Use a #portalSAPO nas suas publicações.