A OSCE "foi severamente prejudicada pela agressão russa contra a Ucrânia, que viola os princípios da organização", disse Borrell, durante uma deslocação à cidade polaca de Brzeg (sul), onde visitou um centro de treino para soldados ucranianos.

No entanto, Borrell reconheceu que, mais cedo ou mais tarde, será necessário "reconstruir" a arquitetura de segurança na Europa e para isso será necessária uma organização como a OSCE.

O chefe da diplomacia europeia lembrou ainda que o ministro dos Negócios Estrangeiros da Rússia, Serguei Lavrov, não pôde participar na reunião anual do Conselho Ministerial da OSCE, já que o Governo polaco não autorizou a sua deslocação.

"Ele não pôde ouvir as críticas que todos os membros da organização, sem exceção, dirigiram à Rússia pela guerra na Ucrânia", destacou Borrell.

Questionado sobre as declarações do Presidente dos EUA, Joe Biden, sobre a sua disponibilidade para iniciar conversações com o líder russo, Vladimir Putin, Borrell disse que "é sempre hora" de negociar.

O chefe da diplomacia europeia lembrou que vários líderes já tentaram mediar o conflito da Ucrânia com Putin, mas que todos regressaram com uma mesma resposta: de que a Rússia tem objetivos militares a alcançar.

Borrell acrescentou que Putin provavelmente acreditava que poderia atingir esses objetivos em 15 dias, mas, ao contrário, após meses de guerra, não apenas não os alcançou, mas a Rússia tem vindo a regredir nos seus avanços.

"Putin deveria parar de bombardear a Ucrânia, declarar um cessar-fogo e iniciar negociações de paz", explicou o alto representante para as Relações Externas da UE, que, no Conselho Ministerial da OSCE propôs a criação de um tribunal especial para julgar crimes de guerra russos.

A ofensiva militar lançada a 24 de fevereiro pela Rússia na Ucrânia causou já a fuga de mais de 13 milhões de pessoas -- mais de seis milhões de deslocados internos e mais de 7,8 milhões para países europeus -, de acordo com os mais recentes dados da ONU, que classifica esta crise de refugiados como a pior na Europa desde a Segunda Guerra Mundial (1939-1945).

A invasão russa -- justificada pelo Presidente russo, Vladimir Putin, com a necessidade de "desnazificar" e desmilitarizar a Ucrânia para segurança da Rússia - foi condenada pela generalidade da comunidade internacional, que tem respondido com envio de armamento para a Ucrânia e imposição à Rússia de sanções políticas e económicas.

A ONU apresentou como confirmados desde o início da guerra 6.655 civis mortos e 10.368 feridos, sublinhando que estes números estão muito aquém dos reais.

RJP // PDF

Lusa/Fim

A dose certa de informação. Sem contraindicações.

Subscreva a newsletter Dose Diária.

Esteja em cima do acontecimento.

Ative as notificações do SAPO.

Damos tudo por tudo, para que não lhe falte nada de nada!

Siga o SAPO nas redes sociais. Use a #portalSAPO nas suas publicações.