"A nossa meta última é garantir as vitórias" no próximo ciclo eleitoral, "condição fundamental para continuarmos a melhor servir os moçambicanos. Essa é a nossa razão de ser como Frelimo", referiu.

"Por isso, apelamos a todos para conduzirmos os debates dentro da nossa agenda, agenda que nos une e não na agenda que nos pode dividir", detalhou Nyusi no seu discurso.

Analistas disseram na quinta-feira à Lusa que, tal como noutros congressos e à beira de um novo ciclo eleitoral, diferentes alas devem procurar chegar a lugares nos órgãos que vão escolher o candidato presidencial de 2024.

Na quarta-feira, a Comissão Política da Frelimo repreendeu em comunicado um militante que levantou um ponto fora da agenda aprovada na última reunião do comité central - Castigo Langa pediu a Nyusi para não tentar um terceiro mandato à frente do país.

Hoje, logo a abrir os trabalhos, o Presidente do partido disse esperar que os cerca de 1.500 delegados se centrem nos problemas do quotidiano dos moçambicanos.

O custo de vida, o combate ao terrorismo e o impacto das mudanças climáticas são alguns desses temas, arrolados numa lista destacada pelo líder do partido, que pediu "respostas à sociedade que hoje parou para nos ouvir", numa alusão à transmissão em direto por várias televisões e à representação de todas as províncias entre os delegados.

Do lado do Governo, referiu, a nova Tabela Salarial Única da função pública, que eleva o salário mínimo, está pronta para avançar, mal seja aprovada pelo parlamento.

A "sustentabilidade do partido" e a "necessidade de rejuvenescimento" daquela força política constam também da mesma lista de temas que para Nyusi são de especial relevo.

Filipe Nyusi voltou ainda a apelar à reflexão sobre a viabilidade de começar a fazer eleições distritais em 2024, tal como definido no âmbito dos entendimentos com a Resistência Nacional Moçambicana (Renamo, oposição) que levaram ao acordo de paz de 2019.

Não se trata de receio da Frelimo em ir a votos, sublinhou, mas de uma constatação de quem tem experiência no terreno, de que o processo de descentralização merece mais aprofundamento, reiterou, em linha com o que vem defendendo nos últimos meses.

Parte do discurso foi dedicado às relações especiais com a vizinha Tanzânia e aos laços forjados na luta moçambicana pela independência, face ao colonialismo português, numa sessão que contou com a presença da Presidente tanzaniana, Samia Suluhu, como convidada de honra.

Filipe Nyusi felicitou ainda João Lourenço e o Movimento Popular de Libertação de Angola (MPLA) pela vitória eleitoral de agosto naquela país lusófono.

A Frelimo reúne-se a partir de hoje e até quarta-feira para o seu encontro magno em que o atual líder é o único candidato anunciado à presidência.

Durante o encontro na Matola, subúrbios de Maputo, serão ainda eleitos os novos órgãos sociais: o Comité Central, ao qual caberá a escolha do secretário-geral, a Comissão Política e o Comité de Verificação.

Depois do congresso, passará pelos novos órgãos a escolha do candidato às eleições presidenciais de 2024.

O 12.º Congresso da Frelimo conta com a participação de cerca de 1.500 delegados.

 

LFO // PJA

Lusa/fim

A dose certa de informação. Sem contraindicações.

Subscreva a newsletter Dose Diária.

Esteja em cima do acontecimento.

Ative as notificações do SAPO.

Damos tudo por tudo, para que não lhe falte nada de nada!

Siga o SAPO nas redes sociais. Use a #portalSAPO nas suas publicações.