Na rede social X (antigo Twitter), o chefe de Estado brasileiro divulgou uma foto do encontro e afirmou que a cimeira do G20 foi um dos temas abordado com o chefe da diplomacia norte-americana, Antony Blinken.

Lula da Silva deu conta dos outros assuntos discutidos: "a iniciativa pela melhoria da condição dos trabalhadores que lançámos com o Presidente [dos Estados Unidos, Joe] Biden, a proteção do meio ambiente, a transição energética, a ampliação dos laços de investimento e cooperação entre nossos países e sobre a paz na Ucrânia e em Gaza."

A reunião ocorreu no Palácio do Planalto, sede do Governo brasileiro, e durou quase duas horas.

Após o encontro, Blinken disse aos jornalistas que o encontro com o Chefe de Estado brasileiro foi "ótimo". E acrescentou: "Os Estados Unidos e o Brasil estão a fazer coisas muito importantes juntos, estamos trabalhando bilateralmente, regionalmente, mundialmente. É uma parceria muito importante e somos gratos pela amizade".

Numa nota oficial, o Governo brasileiro explicou que a reunião foi acompanhada pelo assessor especial do Governo brasileiro para Assuntos Internacionais, Celso Amorim, e pela embaixadora dos Estados Unidos no Brasil, Elizabeth Bagley.

"O Presidente [brasileiro] e o secretário [de Estado dos Estados Unidos] abordaram temas como a iniciativa para trabalho decente lançada por Lula e Biden em setembro do ano passado à margem da Assembleia Geral da ONU, e a cooperação dos dois países na área ambiental, transição energética, fóruns empresariais e de infraestrutura", afirmou o Governo brasileiro.

Segundo o mesmo comunicado, Blinken informou que os Estados Unidos estudam realizar novo financiamento para o Fundo Amazónia e reafirmou apoio ao Brasil na presidência do G20, grupo que reúne as 20 maiores economias do mundo.

Já o Presidente brasileiro terá reiterado a "necessidade de reformar os organismos financeiros internacionais e o Conselho de Segurança da ONU", pode ler-se na mesma nota.

Blinken e Lula da Silva discutiram também "sobre parcerias trilaterais em agricultura, segurança alimentar e infraestrutura em África", sendo que Lula [da Silva] ressaltou a urgência em abordar o tema da dívida externa dos países africanos".

"O secretário [de Estado dos Estados Unidos] agradeceu a atuação do Brasil pelo diálogo entre Venezuela e a Guiana. O Presidente Lula [da Silva] reafirmou o seu desejo pela paz e fim dos conflitos na Ucrânia e na Faixa de Gaza. Ambos concordaram com a necessidade de criação de um Estado palestiniano", concluiu-se no comunicado.

CYR // JMC

Lusa/Fim