"Não há dúvidas que nós estamos perante um cenário de perseguição política, e olhando para Angola e o nosso sistema jurídico, é fácil de entender que o Procurador-Geral da República recebe ordens diretamente do Presidente, ou seja, ao contrário de alguns países", afirmou Isabel dos Santos, em entrevista à TVI/CNN.

Isabel dos Santos considera que não existe separação de poderes em Angola e acusa o procurador-geral da República, Pitra Grós, de receber ordens de João Lourenço.

"O procurador, general Pitra Grós, recebe ordens diretamente do general Lourenço, do Presidente João Lourenço", acusou, acrescentando que o líder angolano está a "usar a lei para fazer guerra, a utilizar as instituições estatais, públicas, a utilizar os próprios tribunais e utilizar a lei para combater um opositor. Um opositor económico e um opositor político", frisou.

Essa, afirma, é a razão para o que considera ser a "perseguição política" que alega estar a ser alvo, com o objetivo, designadamente, de impedir que "outras vozes entrem na política em Angola".

Relativamente a Portugal, Isabel dos Santos diz que nenhum governo lhe pediu para investir no país.

"Eu trabalhei sempre com os contactos empresariais", disse, reiterando que a sua relação com Portugal "foi sempre através de investimentos privados", com os empresários portugueses.

Questionada sobre a sua ligação à Rússia, Isabel dos Santos destacou a cultura e história deste país e, quando questionada se considera passar a viver na Rússia, Isabel dos Santos respondeu apenas que sente "um carinho especial" por esse país.

"Eu tenho um carinho especial, porque é a terra da minha mãe. Portanto, é um sítio onde tenho família e que respeito muito, com uma cultura fenomenal", declarou.

Quanto ao conflito entre a Rússia e a Ucrânia, respondeu que espera que o conflito se resolva.

"A paz é importante para todos", concluiu.

EL // RBF

Lusa/Fim

A dose certa de informação. Sem contraindicações.

Subscreva a newsletter Dose Diária.

Esteja em cima do acontecimento.

Ative as notificações do SAPO.

Damos tudo por tudo, para que não lhe falte nada de nada!

Siga o SAPO nas redes sociais. Use a #portalSAPO nas suas publicações.