O acordo foi assinado na quinta-feira em Lisboa pelo presidente do Camões -- Instituto da Cooperação e da Língua, João Ribeiro de Almeida, pelo secretário-geral da União das Cidades Capitais de Língua Portuguesa (UCCLA), Vítor Ramalho, e pelo presidente do Conselho Municipal da Ilha de Moçambique (CMIM), Ismail Iahira Abacar Chacufa.

O instituto Camões "tem vindo a apoiar o desenvolvimento integrado da Ilha de Moçambique e da região continental adjacente, através do 'Cluster', no âmbito de sucessivos Programas Estratégicos de Cooperação (PEC) assinados entre os dois países", destaca a nota do Camões, acrescentando que o programa vigente tem como horizonte temporal o período de 2022-2026.

"A Ilha de Moçambique encontra-se inscrita na lista de Património Mundial da UNESCO, desde 1991, e, desde 2011, o 'Cluster' da Cooperação Portuguesa tem vindo a contribuir para o desenvolvimento do território, envolvendo diferentes parceiros portugueses e moçambicanos", destaca o instituto.

"Com o apoio do instituto Camões, a UCCLA trabalha com o CMIM no reforço de capacidades no que respeita a ações nos domínios da participação das comunidades, turismo, urbanismo e salubridade ambiental", conclui a nota.

EL // LFS

Lusa/Fim

A dose certa de informação. Sem contraindicações.

Subscreva a newsletter Dose Diária.

Esteja em cima do acontecimento.

Ative as notificações do SAPO.

Damos tudo por tudo, para que não lhe falte nada de nada!

Siga o SAPO nas redes sociais. Use a #portalSAPO nas suas publicações.