A acusação foi feita por Mary Lawlor, relatora especial da ONU sobre a situação dos defensores dos direitos humanos, apelando ao Executivo de Atenas para que respeite estes direitos.

"A abordagem atual do governo é definida pela sua conceção da migração como uma questão de segurança e prevenção", declarou Mary Lawlor, citada em comunicado, no final de uma deslocação ao país, ao longo de 10 dias.

Esta abordagem « criou uma atmosfera de medo -- em particular, um medo de criminalização -- para os refugidos, os candidatos a asilo, os migrantes e os defensores dos direitos humanos", realçou.

Mary Lawlor deslocou-se à Grécia, a convite do governo, entre 13 e 22 de junho, para avaliar a situação do que trabalham na promoção e proteção dos direitos humanos.

Desde a sua eleição, há três anos, o governo do conservador Kyriakos Mitsotakis reforçou os controlos nas fronteiras com a Turquia, com a ajuda da Agência Europeia de Vigilância das Fronteiras (Frontex).

Por várias vezes, que o governo se congratulou desta política que, nas suas palavras, contribuiu "para limitar" o número de entradas de migrantes na Grécia, uma das principais 'portas' dos candidatos a asilo na Europa.

Mas numerosos meios e ONG não param de acusar as autoridades gregas de práticas de repulsão ilegais dos migrantes para as águas ou o território da Turquia, o que Atenas sempre desmentiu.

A União Europeia e o Alto-Comissariado dos Refugiados da ONU já pediram um inquérito sobre o assunto.

Mary Lawler indicou que os que procuram documentar a evitar as repulsões "são particularmente ameaçados".

RN // RBF

Lusa/fim

A dose certa de informação. Sem contraindicações.

Subscreva a newsletter Dose Diária.

Esteja em cima do acontecimento.

Ative as notificações do SAPO.

Damos tudo por tudo, para que não lhe falte nada de nada!

Siga o SAPO nas redes sociais. Use a #portalSAPO nas suas publicações.