"Houve três grandes avanços que devem ser atribuídos a Emmanuel Macron. Primeiro, o reforço sem precedentes contra a ameaça terrorista: 37 ataques terroristas e seis projetos de ataque de extrema-direita foram desarticulados", disse Darmanin, defendendo as políticas de segurança executiva.

O ministro também elogiou a duplicação dos meios dos serviços secretos internos e a criação de 10 mil postos adicionais na polícia e na polícia militar (Gendarmerie Nationale).

A entrevista no JDD surge no contexto das eleições presidenciais de abril, nas quais a direita e a extrema-direita tentam dominar o debate público com questões sobre segurança e identidade.

As sondagens apontam que a candidata de direita, Valérie Pécresse, e a candidata de extrema-direita, Marine Le Pen, lutam para chegar à segunda volta contra Emmanuel Mácron, sendo que, nesta entrevista, o ministro do Interior francês considerou que "Le Pen é a mais pessoa perigosa para o país".

"Se Marine Le Pen assumir responsabilidades, será a discórdia nacional e a depois guerra civil", disse o ministro, que criticou a direita conservadora por recuperar as questões da extrema-direita para evitar a fuga de votos.

CYC // VM

Lusa/Fim

A dose certa de informação. Sem contraindicações.

Subscreva a newsletter Dose Diária.

Esteja em cima do acontecimento.

Ative as notificações do SAPO.

Damos tudo por tudo, para que não lhe falte nada de nada!

Siga o SAPO nas redes sociais. Use a #portalSAPO nas suas publicações.