Além daqueles suspeitos foram identificadas nove vítimas potenciais e mais de 40 plataformas suspeitas durante a operação policial a 23 de maio, indicou a Europol em comunicado.

A agência da União Europeia explicou que 93 investigadores tiveram como alvo "redes criminosas que preparam refugiados ucranianos para exploração sexual e laboral através de 'sites' e plataformas de redes sociais".

Os agentes concentraram-se em rastrear publicações que oferecem assistência a refugiados com transporte, alojamento e trabalho e monitorizar 'sites' de encontros e de recrutamento, bem como plataformas que oferecem serviços sexuais.

Muitas plataformas parecem estar a tomar medidas importantes para combater o seu uso indevido para o tráfico de refugiados, nomeadamente ucranianos, observou a Europol.

"No entanto, as autoridades encontraram um número significativo de postos de trabalho suspeitos dirigidos a mulheres ucranianas, alguns descritos como 'sessões fotográficas'", alertou ainda a polícia europeia.

"Os investigadores identificaram tentativas de atrair as vítimas com ofertas de um 'futuro brilhante', que as levaram à exploração sexual", disse a Europol, acrescentando que "foram detetadas atividades suspeitas numa vasta gama de plataformas, incluindo de língua russa".

As autoridades judiciais de 14 países da União Europeia participaram neste dia de ação 'online', liderado pelos Países Baixos. Foram abertas 15 novas investigações.

A Europol alertou em março para o risco de os refugiados ucranianos que fogem da invasão do seu país poderem cair em redes de tráfico humano quando chegam à UE, instando os países de acolhimento a permanecerem atentos.

A Rússia lançou uma ofensiva militar na Ucrânia a 24 de fevereiro, que causou já a fuga de mais de 15 milhões de pessoas das suas casas -- mais de 7,7 milhões dos quais para os países vizinhos -, de acordo com os mais recentes dados da ONU.

ANP // PAL

Lusa/fim

A dose certa de informação. Sem contraindicações.

Subscreva a newsletter Dose Diária.

Esteja em cima do acontecimento.

Ative as notificações do SAPO.

Damos tudo por tudo, para que não lhe falte nada de nada!

Siga o SAPO nas redes sociais. Use a #portalSAPO nas suas publicações.