O oficial tinha acabado de chegar à capital brasileira vindo de Washington, nos Estados Unidos, para onde viajou na quinta-feira passada para participar num curso no Colégio Interamericano de Defesa.

Corrêa Neto é suspeito de ter organizado uma reunião de oficiais das forças especiais do exército em 28 de novembro de 2022 para discutir um golpe de Estado, um mês após a segunda volta das eleições presidenciais ganhas por Luiz Inácio Lula da Silva.

O suspeito era então adjunto do Comando Militar do Sul e apontado como confidente do tenente-coronel Mauro Cid, colaborador próximo do antigo presidente Jair Bolsonaro.

A polícia intercetou conversas no seu telemóvel que mostram que Corrêa escolheu para esta reunião militares treinados nas Forças Especiais conhecidos como 'Kids Pretos', o que "demonstra o planeamento meticuloso para usar técnicas militares contra o próprio Estado brasileiro para a consumação do golpe de Estado".

A prisão foi homologada pelo juiz do Supremo Tribunal Federal Alexandre de Moraes, que afirma, no seu despacho, que houve um plano de disseminação de notícias falsas "pelas Forças Armadas e demais membros do grupo criminoso para desacreditar o processo eleitoral".

O objetivo era criar um "clima favorável ao golpe de Estado".

Para isso, chegaram a preparar uma "carta ao comandante do Exército de oficiais superiores no ativo do Exército Brasileiro" dirigida ao então chefe do Exército, Marco Antônio Freire Gomes.

JH // MDR

Lusa/Fim

A dose certa de informação. Sem contraindicações.

Subscreva a newsletter Dose Diária.

Esteja em cima do acontecimento.

Ative as notificações do SAPO.

Damos tudo por tudo, para que não lhe falte nada de nada!

Siga o SAPO nas redes sociais. Use a #portalSAPO nas suas publicações.