Um estudo publicado esta segunda-feira na Proceedings of the National Academy of Sciences (Pnas) e liderado pela Universidade de Pittsburgh (Estados Unidos) indica que a perda auditiva devido ao ruído tem origem em danos celulares no ouvido interno associados ao excesso de zinco flutuante, mineral essencial para o funcionamento celular e da audição.

Enquanto algumas pessoas experimentam perda auditiva induzida por ruído como resultado de uma lesão auditiva traumática aguda, outras notam uma perda repentina, temporária ou mesmo permanente ou mudanças drásticas na sua perceção do som após serem continuamente expostas a ruídos altos, como numa obra ou num concerto muito ruidoso.

A equipa, liderada por Thanos Tzounopoulos, da Universidade de Pittsburgh, concentrou-se na determinação dos fundamentos mecanísticos desta condição, a fim de estabelecer as bases para o desenvolvimento de tratamentos eficazes e minimamente invasivos no futuro.

Em experiências em ratos e em células isoladas do ouvido interno, os investigadores descobriram que horas depois de expor os animais a ruídos altos, os níveis de zinco no ouvido interno dispararam.

A exposição a sons altos causa uma forte libertação de zinco no espaço extra e intracelular que, em última análise, causa danos celulares e interrompe a comunicação normal entre as células, explicou a Universidade de Pittsburgh.

A perda auditiva induzida por ruído pode ser debilitante e algumas pessoas começam a ouvir sons que não existem, desenvolvendo uma condição chamada zumbido, que afeta seriamente a sua qualidade de vida.

Mas o estudo também abriu a porta para uma possível solução para esta perda auditiva, pois descobriram que ratos tratados com um composto de libertação lenta que retinha o excesso de zinco livre eram menos propensos à perda auditiva e estavam protegidos contra danos induzidos pelo ruído.

Medicamentos que atuam como esponjas moleculares que retêm o excesso de zinco podem ajudar a restaurar a perda auditiva ou, se administrados antes de uma exposição esperada a sons altos, podem proteger contra a perda auditiva.

Os investigadores estão atualmente a desenvolver um tratamento que será testado em estudos de segurança pré-clínicos, com o objetivo de disponibilizá-lo como uma opção simples e de venda livre para proteção contra perda auditiva.

DMC // RBF

Lusa/Fim

A dose certa de informação. Sem contraindicações.

Subscreva a newsletter Dose Diária.

Esteja em cima do acontecimento.

Ative as notificações do SAPO.

Damos tudo por tudo, para que não lhe falte nada de nada!

Siga o SAPO nas redes sociais. Use a #portalSAPO nas suas publicações.